Mais de 200 postos de combustíveis são autuados em Minas; em Uberlândia, 29 foram lavrados

Balanço da Petróleo Real aponta 516 estabelecimentos fiscalizados e 203 postos com algum tipo de irregularidade no estado

Com um efetivo de 490 servidores de diversas instituições envolvidas, a Operação Petróleo Real encontrou várias irregularidades em postos de combustíveis de Minas Gerais em dois dias de intenso trabalho integrado. A ação começou na terça-feira (6/7) e teve continuidade na quinta-feira (8/7) em 63 municípios mineiros. Ao todo, 516 postos foram vistoriados e, destes, 203 apresentaram alguma irregularidade e foram autuados. 

Os números mostram que 39% dos estabelecimentos fiscalizados pela Operação Petróleo Real apresentaram irregularidades. Das 648 bombas de combustível aferidas, 91 também estavam irregulares. As inspeções verificaram, entre outros itens, a qualidade do combustível, a validade dos produtos, a integridade das bombas de abastecimento, a transparência da composição dos preços ao consumidor e outras infrações administrativas e criminais. 

A operação é inédita e faz parte de uma mobilização nacional coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública e capitaneada, em Minas, pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).

As fiscalizações integradas tiveram participação e operacionalização da Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), dos Procons Municipais, do Procon Estadual, do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – Núcleo Regional Minas Gerais (ANP-MG), do Instituto de Metrologia e Qualidade do Estado de Minas Gerais (Ipem-MG), do Corpo de Bombeiros Militar (CBMMG), da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Militar (PMMG) e também apoio da Secretaria de Estado de Fazenda (SEF/MG).

Operação em Uberlândia

Em Uberlândia, a operação Petróleo Real foi realizada durante todo o dia e passou por todas as regiões da cidade. Deste modo, 29 postos foram fiscalizados e todos foram autuados devido a alguma irregularidade. O operação também aferiu 47 bombas, dentre as quais cinco estavam irregulares, e uma foi interditada devido à falta de lacre. Entre as outras irregularidades constatadas estavam a falta de alvará de funcionamento, falta de autorização de funcionamento por parte do Corpo de Bombeiros, ausência de exposição de preços e falta de exemplar do Código de Defesa do Consumidor. Para isso, 36 agentes foram destacados.

LIVE OFFLINE
track image
Loading...