Tóquio 2020: emocionado, Ítalo celebra o ouro; teve bronze na natação

Ítalo, no lugar mais alto do pódio, nas olimpíadas de Tóquio

Na madrugada desta terça-feira (27), Ítalo Ferreira conquistou a medalha de ouro na final do surfe masculino, sendo o primeiro brasileiro a subir no lugar mais alto do pódio nos Jogos Olímpicos de Tóquio. Após a prova, o surfista revelou seu lema na competição e chorou ao lembrar de sua vó.

“Eu vim com uma frase para o Japão: ‘Diz amém que o ouro vem’. E veio, acreditei até o final. Eu treinei muito nos últimos meses, Deus realizou meu sonho. Agradecer à oportunidade de fazer o que eu amo, ajudar minha família. Fui para dentro da água, sem pressão, fazendo o que amo”, disse Ítalo à TV Globo.

“Queria que minha vó estivesse viva para ver isso. Ver o que me tornei e o que consegui fazer. Não tenho palavras, tenho que agradecer. Almejei bastante e sonhei. Meu nome está escrito na história do surfe”, completou emocionado.

Por fim, Ítalo agradeceu todo o apoio que recebeu dos brasileiros desde que desembarcou em Tóquio para a disputa das Olimpíadas.

“Eu não queria nem pegar a medalha, de tanto que eu queria dar um abraço em vocês que ficaram torcendo. Muito grato por tudo. Não só minha família, recebi uma torcida imensa de todos os brasileiros que estavam me acompanhando. Sei que é de madrugada e a galera deve estar cansada, mas valeu a pena”, finalizou.

Ao lado de Gabriel Medina, que perdeu a disputa pelo bronze, Ítalo Ferreira é um dos principais nomes do Brasil no surfe. Atual campeão mundial da WSL (Liga Mundial de Surfe), o potiguar marca o seu nome na história do esporte ao ser o primeiro medalhista de ouro da modalidade nos Jogos Olímpicos.

Bronze na natação

Medalhista brasileiro no Estádio Olímpico de Natação de Tóquio

Na noite de segunda-feira (26), Fernando Scheffer conquistou a medalha de bronze, nos 200m livre, dos jogos Olímpicos de Tóquio. Radiante pelo resultado, o nadador brasileiro destacou o apoio que recebeu de conhecidos.

“O sentimento que me preenche agora é gratidão. Teve muita gente que esteve comigo todo esse tempo. Todos os treinadores, os preparadores, fisioterapeutas, médicos, amigos de treino, adversários, família, amigos. A galera ficou acordada até tarde para torcer. Hoje, todo mundo nadou comigo, essa medalha é de todo mundo”, disse o atleta.

Scheffer também comentou sobre sua determinação, característica essencial para quem almeja uma medalha olímpica.

“Nunca fui o mais rápido, o mais resistente, o mais versátil, mas sempre pensei em ser o mais esforçado. E levo essa mentalidade até hoje e isso é um diferencial importante para trabalhar tudo todos os dias e isso dá confiança para chegar aqui e saber que a gente pode fazer algo a mais”, afirmou o nadador.

Por fim, Scheffer revelou que caiu na piscina com a cabeça tranquila, sem trazer a pressão por um resultado positivo para a prova.

“A atmosfera que a gente traz define muita coisa. Eu me preparei para vir pra cá e criar o melhor ambiente para mim, o mais descontraído, não jogar uma carga que não precisava. Não coloquei pressão que precisava fazer final, pegar uma medalha, só queria vir aqui e nadar o meu melhor, o que eu treinei pra fazer”, finalizou.

Por: Rádio Vitoriosa e Agência Gazeta Esportiva

LIVE OFFLINE
track image
Loading...